HISTÓRIA

Sindicato dos Metalúrgicos: 64 anos de muita história

Fundado em 26 de novembro de 1955 a Associação Profissional dos Metalúrgicos de Cruzeiro, vindo mais tarde a formar, através de seu primeiro presidente – Sr. João Roque, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Cruzeiro.

O Sindicato foi fundado num período com grandes dificuldades e pressão patronal. No início as reuniões eram realizadas as escondidas, porque na época um sindicalista era tido como comunista.

Em 2020, o Sindicato dos Metalúrgicos completará 65 anos e, até o momento, teve a sua frente oito presidentes – João Roque, Pedro de Oliveira, João Pedro Ferreira, Agostinho Elisei, José Firmo, José Odário de Souza, Jumar Batista da Silva e o atual Jacy Cleber Mendes, sendo todos eles eleitos pelo voto livre e democrático dos associados.

Uma classe que não é esquecida pelo Sindicato dos Metalúrgicos são os aposentados, que mesmo inativos continuam a desfrutar dos benefícios oferecidos pelo Sindicato, além do convênio médico com a Byomed.

O COMEÇO:

Um movimento iniciado no dia 26 de novembro de 1955, quando foi fundada a Associação Profissional dos Metalúrgicos de Cruzeiro. Sem local definido, a Associação 12 de outubro gentilmente cedeu sua sede para as reuniões dos Trabalhadores Metalúrgicos, Mecânicas e de Material Elétrico de Cruzeiro iniciasse sua missão.

PRIMEIRA REUNIÃO – PRIMEIRA DIRETORIA

Aprovação do Estatuto / Eleição da Diretoria e outras resoluções:

Primeira Diretoria

Presidente: João Roque

Vice: Jorge Rodrigues

1º Secretário: José Pinto Ferreira

2º Secretário: Sebastião Rabelo

1º Tesoureiro: José Francisco Senne

2º Tesoureiro: José Pereira

Conselho Fiscal: Juscelino Gonçalves Filho, Mario Mazulk e Clotério de Miranda.

O assunto foi: “Uma proposta de monção de solidariedade dos Metalúrgicos de Cruzeiro ao Ministro Nelson Omegnha, pela sua atuação em defesa da liberdade sindical”. A monção recebeu dezenas de assinaturas sendo aprovada por unanimidade.

*João Roque e um grupo de corajosos companheiros fundaram o Sindicato perante grande dificuldade e pressão patronal. No começo de tudo as reuniões tinham que ser feitas às escondidas, pois um sindicalista da época era tido como um comunista.

EX – PRESIDENTES

O Sindicato sempre esteve atuante na vida dos metalúrgicos de Cruzeiro, começou com João Roque, de 1955 a 1960 de 1960 a 1965, foi o mandato de Pedro de Oliveira; de 1965 a 1968, o comando esteve com João Pedro; de 1968 a 1975, Agostinho Elizei antecedeu a José Firmo, que dirigiu a entidade de 1975 a 1994, José Odário de Souza de 1994 a 2006 com três mandatos.

IMPORTÂNCIA DA CATEGORIA

No mundo moderno, a função do metalúrgico tem uma importância fundamental. Em todos os setores das atividades, encontra-se, seja de forma indispensável, ou de um modo mais simples, a presença da metalurgia como elemento sempre presente, contribuindo no processo industrial e melhorando a qualidade de vida do ser humano.

As descobertas da humanidade foram evoluindo a partir do fogo e da roda e prosseguiram com a metalurgia, que pressionou o crescimento do processo industrial favorecendo a rápida invenção e criação das máquinas, que deram um impulso notável ao desenvolvimento de todos os povos, que dividiram as atividades agropastoris com o processamento dos metais e posteriormente com a fabricação de máquinas, cada vez mais práticas e funcionais e das suas indispensáveis peças.

Desde os equipamentos mais primários e rudimentares, com as técnicas incipientes da época, pode se notar hoje, quando alcançamos um progresso extraordinário de criação e fabricação de equipamentos, que a “arte da manipulação dos metais e seus derivados” obteve uma notável evolução, fazendo parte do crescente progresso industrial.

Como não há metalurgia, sem o metalúrgico é fácil constatar relevância de nossa atividade junto a todos os ângulos profissionais. Hoje não se pode viver sem a contribuição do metalúrgico do complexo universo da atividade humana. Praticamente todas as demais tarefas, desde as mais humildes, que exigem pequena qualificação, até às mais sofisticadas, que pedem maior perícia e conhecimento técnico, dependem a presença do trabalho do metalúrgico, ou de máquinas construídas ou desenvolvidas por ele.

Na simples picareta que cava a terra, na simplória pá, que remove os materiais, no delicado instrumento cirúrgico, que salva vidas, nos robôs, que facilitam as tarefas dos operários, no mais avançado computador, enfim em todos momentos da vida, ressalta-se a nossa presença.

Assim, companheiros, concluímos sem a necessidade e um maior exercício e busca de palavras, que a nossa profissão é como as demais, muito importante para a qualidade ideal de vida, a qual a humanidade busca através dos séculos.

Todos podem enfatizar, sem medo de errar; orgulhamo-nos por sermos metalúrgicos e ao mesmo tempo participarmos do progresso!

CONQUISTAS PATRIMONIAIS

Clube de Campo no Passa Vinte: local de lazer da categoria com piscina, clube social, campo de futebol. A aquisição da sede do Sindicato, em 2005, foi um momento histórico vivenciado pela diretoria da época. No espaço são oferecidos diversos serviços aos sócios e dependentes.

CONQUISTAS SOCIAIS

Assistência Jurídica e Odontológica, Barbearia, Convenção Coletiva de Trabalho, Participação de Resultados, Processo de Revisão de Aposentadoria, entre outros.